RPGBrasil.Org
Se Você não é Membro, Cadastra-se Agora é rapido e fácil.
Venha Participar do Melhor Forum de RPG voltado a um Cenário.
Últimos assuntos
» CRONOGRAMA e EQUIPE
Hoje à(s) 2:55 pm por druidadp

» ESTRUTURA DO LIVRO
Ontem à(s) 10:29 pm por SEDEL

» Homens Ratos
Ter Set 19, 2017 10:29 pm por druidadp

» SEJA PARTE DO CONSELHO DE ERA
Qui Set 14, 2017 7:54 am por druidadp

» COMO CRIAR UM PROJETO
Qua Set 13, 2017 3:48 pm por druidadp

» algumas reflexões sobre a caracterização da contribuição do mundo Antigo
Ter Set 12, 2017 2:59 pm por draculino

» Trilha sonora metal
Ter Set 12, 2017 12:14 pm por draculino

» Quelenthor - Adotado por SEDEL
Ter Ago 29, 2017 5:42 pm por druidadp

» O Grande Forjador
Qua Ago 23, 2017 3:38 pm por druidadp

» ADOTE UMA CIDADE - O Projeto
Qua Ago 16, 2017 9:45 am por SEDEL

» Coroa de Lehoi Thar (Artefato)
Ter Ago 15, 2017 1:13 pm por druidadp

» Equipamento padrão de Oficial Explorador
Dom Ago 13, 2017 11:04 pm por druidadp

» Porque os Cavaleiros precisavam de escudeiros
Sex Ago 04, 2017 11:15 am por druidadp

Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Conservar e compartilhar o endereço de RPG Brasil em seu site de social bookmarking

Conservar e compartilhar o endereço de RPGBrasil.Org em seu site de social bookmarking

Conectar-se

Esqueci minha senha

Visitas
Flag Counter

Senhoras e Senhores

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Senhoras e Senhores

Mensagem por draculino em Ter Jun 30, 2015 6:56 pm

Draculino pensou tratar da crise do humanismo com a biografia de Jose de Alencar, escritor cearense. A independência política, não foi acompanhada da emancipação do trabalho escravo. Até hoje isto marca o Brasil.

1 - Do liberalismo em geral e no Brasil em particular.

Como historiar o desenvolvimento de teorias políticas simultaneamente ao seu aspecto social? O recurso de recorrer à pré-História leva-nos a compreender que na Época da Pedra Lascada as relações eram por laços sanguíneos.
Na época do Bronze surge uma novidade no desenvolvimento político-social: o aparecimento das classes, a propriedade privada como forma de apropriação do trabalho na sociedade, e do Estado como forma política organizada pela violência de garantir a produção e reprodução da vida material. Aparece o ser de classe como oposto ao ser humano em geral. Estava rompida a unidade da vida humana material e espiritual com o surgimento de proprietários e não-proprietários. AS classes sociais aparecerem como formas particulares do ser social.
                 1.1 - A crítica ao conservadorismo romântico.
                         " A primeira marca do príncipe soberano é o poder de dar lei a todos em geral, e a cada um em particular. Mas isto não basta, e é necessário acrescentar: sem o consentimento de maior nem igual nem menor do que ele. O soberano de uma república, seja ele uma Assembléia ou um homem, não está sujeito às leis civis. Pois tendo o poder de fazer e de desfazer as leis, pode quando lhe apraz, livrar-se desta sujeição revogando as leis que o incomoda e fazendo novas. Esta criação do Estado absolutista, com a participação da burguesia determinou uma oposição entre o divino e o laico.
                       1.1.1 - Do Liberalismo no Brasil
                                 Mostrando a  capacidade do pensamento conservador em atualizar-se face ao problemas levantados pela Revolução Francesa (1789) o rei D. João VI pede a seu ministro da Guerra Silvestre Ferreira que ministre aulas à corte sobre o sistema constitucional liberal. Isto marca a sabedoria política conservadora resumida no pensamento: " Façamos a Revolução antes que o povo a faça".      
                        1.1.2 - A Independência e o Segundo Reinado no Brasil.
                                   A Independência com a peculiaridade da existência da classe dos senhores de escravos como classe social dominante e o príncipe português com poderes absolutistas (Na constituição outorgada em 1823 constava um Quarto Poder: O Poder Moderador, capaz de remover os outros três concentrando o poder na figura do Imperador.) Este aspecto de conciliação política entre senhores de escravos e os burgueses ("caramurus" e "saquaremas"), com o golpe da maioridade de D. Pedro II em 1841, marcou todo o segundo Reinado. (Basta pensar que os saquaremas queriam limitar o poder do Imperador com as Regências ). O convívio dos absolutistas senhores de escravos (Partido Conservador) e liberais (os "saquaremas" do Partido Liberal) aparece magistralmente representado no romance Senhora do escritor cearense José de Alencar.

2 - A crise do humanismo e suas raízes sociais
    O paraibano Celso Furtado em seu livro Formação Econômica do Brasil, demonstra que a divisão internacional do trablho no mercado mundial levou aos senhores de escravos celebrarem um PACTO COLONIAL, isto é, a colonia produziria para a metrópole. Quer dizer a politica colonial era tirar mais do que dar ao povão. A economia era extrativista vivia de períodos de muita procura de produtos do solo (cana-de-açúcar, café, borracha,cacau, etc) e do subsolo (ouro, pedras preciosas e outros metais).
   O sebastianismo barroco (permita-se a Draculino utilizar o termo Barroco no mesmo sentido dado pelo maestro Heitor Villa-Lobos nas  Bachianas Brasileiras) desse pacto colonial começa com o desaparecimento do Rei Dom Sebastião, na Batalha de Alcacer-Quibir. Portugal caiu sob domínio espanhol e o Brasil também. O que os povos indígenas chamam de guerra colonial de conquista foi o que determinou a invasão Holandesa ao Brasil. Os banqueiros holandeses estavam em guerra com a Espanha. E temeram não receber seu dinheiro.




Os coroneis da roça eram donos de terra e gente (escravos). A política social era tirar ao máximo das riquezas do BRasil. O filme Xica da Silva (Bra, 1975. Direção: Carlos Diegues. Elenco: Walmor Chagas, Zezé Mota, José Wilker, Stepan NErcesian, Rodolfo Arena, Elke Maravilha) foi ao mesmo tempo a superação da crise do humanismo ao demonstrar que os seres humanos eram tratados como coisas em nome dos latifundiários e de um sistema político-social que explorava seu povo ao máximo.



3 - Diálogo com Moreno Jambo, o macho.

Moreno Jambo - Esse papo de romance mulhezinha não tá com nada Draculino!

Draculino - Esqueces meu amigo que o gênero folhetim foi como se organizou no século XIX e se exibe até os dias de hoje no século XXI nas telenovelas. Alguns esquemas do folhetim impresso ganharam até autonomia como o suspenso (terminar com uma cena que desperte o interesse na leitura do diário no dia seguinte. VEja por exemplo Hitchcock:


Moreno Jambo - Mais isto é um desenvolvimento!!!!!

Draculino - Conhece este desenvolvimento e não ignora. Nem os artistas. Veja Glauber que mostrou o início da Telvisão no Brasil em TErra em Transe. Draculino presenciou as gravações;



Moreno Jambo - Vou prestar mais atenção a partir de agora.

4 - Conclusão

4.1 - A época romântica da nacionalidade.
A ideologia é uma forma de consciência social. Aliás uma falsa consciência.
O que é arte?Para alguns como o filósofo alemão Hegel, a arte é uma intuição da verdade. Outros, e nisto DRaculino inclui José de Alencar a arte é o mito, quer dizer, uma fábula de gênero tragico ou comico, lírico, ou dramático. Para o crítico húngaro Lukács esta divisão de gêneros deveria permanecer no teatro que seria essencialmente literário.
As observações de Lukács deveriam ser completadas com as notas de Sérgio Eisenstein (1898-1948) sobre o Teatro Kabuki


"fomos visitados pelo teatro Kabuki, uma maravilhosa manifestação de cultura teatral. (...) O convencionalismo do Kabuki não é de forma alguma, o maneirismo estilizado e premeditado, que conhecemos em nosso próprio teatro. No Kabuki este convencionalismo é profundamente Lógico com oem qual quer teatro oriental, por exemplo o teatro chinês"

Esta diferença de lógica, foi reelaborada por Brecht (1898-1956) com o conceito de Gestus, que sã ações física social e historicamente significativas. O teatro dialético é narração, desperta a atividade no público, enquanto o teatro ilusionista consome esta atividade.
Para a contribuição de Augusto Boal (1933-2009) recomendamos
http://artebagaco.vilabol.uol.com.br/bazar/teatro/Boal.htm


4.1.1 - O nacional como imaginário e mito (lenda)

Para alguns críticos a nacionalidade (qualquer uma) é um imaginário com mitos e heróis. CRemos enxergar no drama Senhora, de josé de Alencar o símbolo da aliança entre conservadores e liberais. Por quê? A heroína é um simbolo, utilizado através da noção moralizante de catarse, do sustentáculo político do segundo REinado.


Última edição por draculino em Dom Set 27, 2015 1:05 am, editado 3 vez(es) (Razão : Inclusão do liberalismo no Brasil. Inclusão da crise do humanismo. O dialogo. Conclusão)
avatar
draculino
Aventureiro N. 3

Aventureiro N. 3

Masculino
Número de Mensagens : 241
Idade : 58
Localização : rio de janeiro rj brasil
Humor : palhaço
Desde quando você joga RPG? : Não lembro
Reputação : 3
Pontos : 2034
Data de inscrição : 25/06/2013

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum